Numa pequena aldeia morava um homem já idoso, o seu filho visitava-o todas as semanas, davam um passeio e conversavam por horas. Um desses dias, quando o filho visitava o seu pai, foi surpreendido com um pedido muito especial:

– Filho, esse é o relógio que o teu avô me deu. Tem vários anos. Leva-o ao relojoeiro do centro e diz-lhe que queres vendê-lo, para saberes quanto vale.

Apesar de intrigado com todo o mistério do relógio, o filho levou-o consigo para a cidade e questionou o relojoeiro sobre o valor do mesmo. Na semana seguinte voltou para visitar o pai e contar-lhe do sucedido.

– O dono da relojoaria, disse que era um relógio muito velho e não valeria mais de 5€.

Não contente com o valor que o filho lhe dissera, o homem pediu ao rapaz que questionasse num café se o dono estaria interessado em comprar o relógio.

Na semana seguinte a história repetiu-se. O relógio era demasiado antigo e ninguém tinha interesse em ficar com ele.

– Desta vez, leva o relógio ao museu que fica no centro da cidade, pede para falar com o diretor e mostra-lhe o relógio.

Para grande surpresa do filho, ofereceram uma fortuna pelo relógio. Tratava-se de um relógio muito antigo de coleção e por isso de grande valor para o museu. Na semana seguinte quando contou ao pai o resultado da sua visita ao museu, o homem sorriu ligeiramente e disse ao filho:

– Queria que percebesses filho, que no lugar certo avaliarão o teu valor da forma correta. Não escolhas o lugar errado. E se o fizeres, não te revoltes se não te valorizam.

Quantas vezes já se sentiu desmotivado por não ser devidamente valorizado?

Acontece ou já aconteceu com alguns de nós, aplicar o nosso esforço e empenho, dedicarmo-nos no trabalho ou em alguma tarefa e não sermos devidamente reconhecidos por isso ou valorizados.

Se aplicarmos o nosso esforço na tarefa errada, ou a demonstrarmos à pessoa errada, não podemos esperar que nos atribuam o valor que merecíamos.

Talvez esteja na hora de mudar, de fazer diferente, procurar outro lugar onde nos iremos sentir reconhecidos e valorizados. Porque se realmente empenhamos o nosso esforço nisso, algum retorno cedo ou tarde advirá.

Primeiro é necessário reconhecer o nosso próprio valor, e quando a falta de valorização em detrimento do esforço e dedicação ultrapassa o nosso limite e devemos procurar o lugar certo ou a pessoa certa.

“Quem conhece o teu valor irá apreciar-te. Saberás então que esse é o lugar certo para ti.”

Artigos Semelhantes

Era uma vez uma equipa.

Junho 4th, 2020|0 Comments

Era uma vez uma equipa… “Era uma vez uma equipa, constituída por quatro pessoas, que se chamavam: Toda a Gente, Alguém, Qualquer Um e Ninguém. Havia um trabalho importante para fazer e Toda a [...]

O Crescimento do Bambú

Maio 28th, 2020|0 Comments

Ao fundo de um jardim, um velhote tinha plantado uns bambus. Certo dia, quando o seu neto o visitava, levou-o a ver os bambus já crescidos. Enquanto caminhavam, o avô explicava ao seu neto: [...]

O Engenheiro e o Parafuso

Maio 19th, 2020|0 Comments

Uma empresa mantinha elevados os rácios de produtividade e qualidade dos seus produtos. A empresa tinha recebido recentemente uma encomenda muito importante, quando a máquina principal avariou. Toda a produção dependia do funcionamento dessa [...]

O Velho e o Relógio

Maio 12th, 2020|0 Comments

Numa pequena aldeia morava um homem já idoso, o seu filho visitava-o todas as semanas, davam um passeio e conversavam por horas. Um desses dias, quando o filho visitava o seu pai, foi surpreendido [...]